Campanha de vacinação contra gripe começa nesta segunda e inclui professores

Campanha vai de 17 de abril a 26 de maio. Crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, idosos, profissionais da saúde, povos indígenas e portadores de doenças crônicas também estão incluídos.


Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza começa nesta segunda-feira (17), anunciou o Ministério da Saúde em coletiva de imprensa nesta quinta-feira. Este ano, a novidade é a inclusão dos professores da rede pública e privada no público alvo, com direito a receber a imunização gratuitamente no SUS. A campanha vai até 26 de maio e o dia de mobilização nacional está marcado para o dia 13.

A meta é vacinar 54,2 milhões de pessoas em todo o país. Crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, puérperas (mulheres que estão no período de até 45 dias após o parto), idosos, profissionais da saúde, povos indígenas, pessoas privadas de liberdade e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade continuam fazendo parte do público-alvo.
A contraindicação é para quem tem alergia severa a ovo.


Vacina protege contra três subtipos
A vacina disponível no SUS protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no país: A/H1N1; A/H3N2 e influenza B. Segundo o ministério, 60 milhões de doses de vacinas foram adquiridas, das quais 21,1 milhões de doses já foram distribuídas aos estados.
Os grupos prioritários devem se vacinar todos os anos, já que a imunidade contra os vírus cai progressivamente. Além disso, o vírus da gripe passa por mutações frequentes. Por isso, todo ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) faz uma previsão de quais serão os vírus Influenza que devem circular no inverno do hemisfério norte e do hemisfério sul com base em amostras de pacientes coletadas em centros sentinela distribuídos em todo o mundo.
Com base nessa informação, a Anvisa determina qual deve ser a composição da vacina daquele ano, informação usada pelos laboratórios que produzem a vacina no Brasil. O processo de desenvolvimento da vacina é complexo e leva, em média, 6 meses. A vacina de Influenza trivalente de 2017 contém os seguintes vírus:

*Influenza A (H1N1), subtipo Michigan/45/2015
*Influenza A (H3N2), subtipo Hong Kong/4801/2014
*Influenza B, subtipo Brisbane/60/2008
Já a vacina de Influenza tetravalente contém, além dessas três cepas, o vírus Influenza B, subtipo Phuket/3073/2013.

Número de casos foi alto em 2016
Em 2016, houve 12.174 casos confirmados de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por influenza no país. A SRAG é uma complicação da gripe. Houve ainda 2.220 mortes, número alto em comparação a anos anteriores. Do total de óbitos, a maioria (1.982) foi por influenza A/H1N1. Este foi o maior número de mortes por H1N1 desde a pandemia de 2009, quando 2.060 pessoas morreram em decorrência do vírus no Brasil.
Em 2017, já foram registrados 276 casos e 48 mortes no país.
E quem pode tomar a vacina? Para bebês de até seis meses de vida, a vacina é contraindicada. De seis a nove meses, o bebê só pode ser vacinado em caso de epidemia ou viagem para área de risco. Mesmo assim, os pais devem seguir a orientação dos médicos. Acima de nove meses, o bebê pode tomar a vacina, mas não tem mais reforço com uma segunda dose, aos quatro anos.

Veja quem recebe a vacina pelo SUS
*Crianças de 6 meses a 5 anos
*Gestantes
*Puérperas (mulheres que estão no período de até 45 dias após o parto)
*Idosos
*Profissionais da saúde
*Povos indígenas
*Pessoas privadas de liberdade
*Portadores de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade
*Professores de escolas públicas ou privadas

http://g1.globo.com/bemestar/noticia/campanha-vacinacao-contra-gripe-comeca-nesta-segunda-e-inclui-professores.ghtml