É de responsabilidade do médico, saber quais e quando indicar vacinas para a sua paciente

Especialista em doenças infecciosas, o médico Marcelo Cecílio Daher frisa que a vacinação contra a dengue não é indicada para gestantes e lactantes. Mulheres que desejam engravidar devem esperar pelo menos três meses após a última dose.

Ao longo da história da humanidade, nenhuma outra estratégia, fora a água potável, foi tão eficaz em reduzir a mortalidade infantil como a vacinação. O que antes era restrito a crianças e a alguns adultos, com a introdução de diversas vacinas no mercado, tornou-se abrangente e bastante eficaz. Vacinas contra HPV, hepatite A e B, febre amarela, tétano, coqueluche e difteria são, por exemplo, realidades frequentes nos consultórios dos ginecologistas obstetras. “É de responsabilidade do médico, saber quais e quando indicar vacinas para a sua paciente. Por isso, recomenda-se que se mantenham atualizados para esta prática que vem oferecendo cada vez mais uma opção de prevenção à população”, alerta Marcelo Cecílio Daher, especialista em Doenças Infecciosas.

Dengue

Recentemente começou a ser comercializada no Brasil a vacina contra a dengue. Esta vacina de nome comercial Dengvaxia, do laboratório francês Sanofi-Pasteur, é indicada para pessoas de nove a 45 anos de idade e deve ser feita em três doses com intervalos de seis meses entre as doses. Com sua atuação, pela primeira vez, passouse a trabalhar a prevenção da dengue não mais somente pelo mosquito, mas agora ainda pelo vírus. “Passamos a ter mais uma arma na luta contra a doença, mas temos que entender que todas as outras estratégias para o combate não podem ser esquecidas e sim complementadas”, ressalta o especialista. Mas, no caso das mulheres, quando a vacina contra a dengue pode e deve ser indicada?

Marcelo Daher afirma que a vacinação não é indicada para gestantes e mulheres que estão amamentando. Para aquelas que desejam engravidar, o indicado esperar três meses após a última dose. “A vacina não provocará nenhuma alteração no corpo feminino, mas como é uma vacina de vírus vivo atenuado, não é recomendada nestes casos”, analisa.

Tabela

A Sociedade Brasileira de Imunização trabalha com as Sociedades para o estabelecimento de calendários específicos. Confira o calendário da mulher, elaborado em parceria com a Febrasgo:

Fonte: Revista da Sociedade Goiana de Ginecologia e Obstetrícia - Agosto Ano 10 . Nº63